Volume de desassoreamento e desaterro do rio Pinheiros atinge 365 mil m³

Número foi anunciado pelo governador João Doria em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes

Em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, o governador de São Paulo, João Doria, e o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, anunciaram que os processos de desassoreamento e desaterro do rio Pinheiros, iniciados no dia 6 de agosto pela EMAE, atingiram 365 mil m³, o maior volume desde 2015. O número corresponde a 21.361 viagens de caminhões basculantes. Até o momento, foram desaterrados mais de 245 mil/m³ e desassoreados 120 mil/m³ de sedimentos.

Além disso, foi divulgada na coletiva, que contou com a presença do presidente da EMAE, Ronaldo Camargo, a assinatura de um protocolo de intenções entre a Empresa e a CCCC (China Communications Construction Company), gigante chinesa do setor de infraestrutura, que prevê a análise conjunta de novas tecnologias de dragagem, desassoreamento, limpeza, retenção e tratamento de resíduos e água do rio Pinheiros e da represa Billings. O documento foi assinado em ocasião da 11ª reunião da cúpula dos Brics - grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

A construção de passarelas para pedestres e ciclistas nas margens do rio e a revitalização da Usina São Paulo, antiga Usina Traição, projetos que contarão futuramente com recursos da iniciativa privada, também foram destaque da coletiva.

Os trabalhos fazem parte do “Novo Rio Pinheiros”, projeto de despoluição do rio e revitalização do seu entorno, que contempla ações de saneamento, desassoreamento, coleta e destinação dos resíduos sólidos, revitalização das margens e educação ambiental.

O governador João Doria anunciou ainda o investimento da ordem de R$ 2,5 bilhões, que serão voltados aos rios Pinheiros e Tietê, com recursos do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e BIRD (Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento).