EMAE revitaliza sede do Pomar Urbano

das atividades do Pomar, o espaço também será utilizado para as ações do “Novo Rio Pinheiros”

Nesta quinta-feira, dia 6 de maio, a sede do Pomar Urbano foi reinaugurada. O local também será  uma espécie de central de operações do “Novo Rio Pinheiros”, projeto que visa recuperar as águas do rio e dar vida nova às suas margens, e que está sendo liderado pela empresa.

Na solenidade de reinauguração da sede, o presidente da empresa, Ronaldo Camargo, destacou a complexidade do trabalho de recuperação do rio e das suas margens. “O eixo do Pinheiros contempla nove subprefeituras. A união desse conjunto é o grande trunfo para manter uma política pública permanente irreversível voltada a esse projeto”.

Ronaldo divulgou ainda dois processos licitatórios que estão em andamento para a recuperação das águas, um para desassoreamento e outro, destinado ao desaterro dos “bota-fora”. “Esses dois processos são históricos e trarão uma grande melhoria para o rio. O primeiro vai permitir que sejam desassoreados 500 mil metros cúbicos. Já o segundo deve garantir que 700 mil metros cúbicos de materiais sejam desaterrados, aumentando a produtividade de desassoreamento”.

Semana “Nosso Ambiente”

O evento de reinauguração da sede do Projeto Pomar, que contou com a presença do secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, faz parte de uma série de atividades que a EMAE, junto com a secretaria e empresas parceiras nessa empreitada (Sabesp, CETESB e DAEE), realizou entre os dias 1 e 7 de junho, na Semana “Nosso Ambiente”, com o objetivo de sensibilizar a população quanto à importância da preservação ambiental.

Penido mencionou a importância da retomada do Pomar Urbano para São Paulo. “Essa é uma oportunidade rara de resgate histórico da natureza da cidade. Que a gente possa mostrar para as futuras gerações o que é realmente a Mata Atlântica. Esse projeto tem 11 milhões de parceiros. Não deixemos mais que o rio se afaste, vamos nos aproximar dele”.

Também estiveram presentes outras autoridades e executivos, como o deputado Ricardo Trípoli e a diretora-presidente da CETESB, Patrícia Iglecias, os diretores da EMAE Itamar Rodrigues, Luigi Luzzuri Neto e Marcio Rea, o chefe de gabinete da presidência, Manoel Victor de Azevedo, além de equipes da EMAE.

Reforma da sede

Segundo Itamar Rodrigues, que realizou inspeção na sede do Pomar Urbano na última sexta-feira (31), em pouco mais de um mês de obras, a EMAE realizou toda a parte de limpeza, alvenaria, paisagismo e pintura do local, incluindo a recuperação do viveiro, píer e quiosque, além da remoção de restos de vegetação. Também foi instalada nova sinalização do espaço com placas, além de painéis de ações do rio Pinheiros.

No momento, ele falou sobre a importância da continuidade do Projeto Pomar. “O Rio Pinheiros tem o sério problema da poluição, que é causado principalmente pelos 21 córregos que nele deságuam. Nesse sentido, o projeto é um dos principais incentivos à cultura de educação e preservação do meio ambiente”.

Projeto Pomar

Inaugurado em 1999, Pomar Urbano nasceu com o objetivo de promover a recuperação ambiental e paisagística do Rio Pinheiros e, durante esse tempo, já conseguiu restaurar parte da vegetação nativa local, devolvendo a vida às margens de um dos principais cursos d’água da capital.

A revitalização da sede marca a retomada do Projeto Pomar. Na nova fase, espécies nativas e raras da Mata Atlântica serão inseridas ao longo de 13 quilômetros do rio pela Reservas Votorantim, que deve plantar 30 mil exemplares de 30 espécies. As plantas foram cultivadas no viveiro do “Legado das Águas”, maior reserva privada de Mata Atlântica do país.