João Doria anuncia que o rio Pinheiros será despoluído até 2022

Governador e presidente da EMAE, Ronaldo Camargo, falaram ainda sobre a utilização dos espaços da Usina Elevatória de Traição pela população a partir de 2021

Nesta quarta-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente, em evento realizado na Usina Elevatória de Traição, o governador de São Paulo, João Dória, anunciou a jornalistas que a despoluição do rio Pinheiros será realizada até dezembro de 2022 e, em uma segunda etapa, a do Tietê, em um prazo de oito anos. Para a realização do projeto, Doria explicou que uma parte dos recursos virá do próprio estado e a outra, da iniciativa privada, a partir da concessão de áreas para a exploração de transporte turístico no rio.

Outra novidade contada em primeira mão pelo governador é a utilização da Usina Elevatória de Traição, a partir de 2021, pela população. “A usina continuará a funcionar, mas as demais áreas se tornarão espaços públicos de lazer e entretenimento, com cafés e restaurantes, tudo isso acompanhando a despoluição do Pinheiros. A dimensão e localização do espaço poderão transformar o local, que passará a se chamar Usina São Paulo, em uma espécie de ‘Porto Madero’ paulistano”.

Também participaram do encontro o presidente da EMAE, Ronaldo Camargo, o chefe de gabinete da presidência, Manoel Victor de Azevedo, o coordenador do projeto de despoluição do Rio Pinheiros, Sérgio Bresser Pereira, os diretores de Geração e Financeiro e de Relações com Investidores, Itamar Rodrigues e Luigi Lazzuri Neto, respectivamente, o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, e o presidente da Sabesp, Benedito Braga Júnior, além das equipes da EMAE e diversas autoridades.

Ronaldo Camargo também falou sobre o projeto de concessão. “A usina é grande pérola do Rio Pinheiros, que representa a âncora desse projeto desafiador que nós temos a honra de conduzir que é a despoluição do Pinheiros. Tenho certeza de que teremos grandes resultados, algo que sempre esperamos”.

Ações integradas

Para garantir que as várias ações em curso para a revitalização do rio tenham eficácia, o secretário Marcos Penido ressaltou que o trabalho de conscientização deve ser contínuo. “Acima de tudo, deve haver um trabalho de conscientização. Precisamos nos sensibilizar para que o rio não seja mais poluído. Nosso trabalho é não deixar que a sujeira chegue e recuperar esse espaço para que passe a ser um local de entretenimento para a população”.

O projeto de revitalização do Pinheiros, ação integrada entre os vários órgãos do Governo do Estado, como EMAE, DAEE, CETESB e Sabesp, além da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), também contará com o apoio do prefeito Bruno Covas. “É uma ação importante que gera vários efeitos positivos para a cidade de São Paulo e o município está sempre à disposição para trabalhar em conjunto com o governo”.

Benedito Braga, da Sabesp, ressaltou que um grande avanço nesse sentido é a assinatura de um contrato com o município de Guarulhos, que joga parte do esgoto in natura no rio. “Isso vai trazer uma qualidade muito melhor das águas dos nossos rios urbanos”.

Ecobarcos

Durante o evento, a SIMA e a EMAE iniciaram os testes com dois ecobarcos coletores de resíduos flutuantes, conhecidos como Ecoboats, que vão auxiliar na limpeza do rio Pinheiros. As embarcações começaram os trabalhos nas proximidades da Usina de Traição, perto da ponte Ary Torres. Além disso, duas esculturas, uma em formato de peixe e outra de capivara, feitas de sucata e preenchidas com materiais retidos nas ecobarreiras do rio Pinheiros, foram expostas para lembrar à população sobre o descarte correto de resíduos e de que alguns materiais levam dezenas de anos para se decompor.