Pequena Central Hidroelétrica Pirapora

A cidade de Pirapora do Bom Jesus receberá uma Pequena Central Hidroelétrica (PCH), empreendimento que iniciou suas obras em maio de 2012. A construção está sendo realizada pela EMAE, e a entrega está prevista para 2014, cumprindo prazo contratual de 24 meses de ução.

A futura PCH será instalada na ombreira esquerda do rio Tietê, na Barragem de Pirapora. Vai contar com 25 Megawatts (MW) de potência instalada, o suficiente para atender aproximadamente 75 mil residências. Terá um sistema de captação que desvia a água por um túnel até a casa de força que, por sua vez, aciona duas turbinas de eixo vertical tipo Kaplan de 12,5 MW cada. A conexão com a linha de transmissão do Sistema Interligado Nacional (SIN) será feita por meio da subestação e ramal de conexão que compõem o complexo.

No total, os investimentos serão de R$ 123 milhões, sendo R$ 98 milhões provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o restante da própria EMAE. A concessão de crédito foi aprovada em janeiro desse ano em favor da Pirapora Energia S.A, subsidiária integral da EMAE, e será usado, também, para a implantação da linha de transmissão e aquisição dos equipamentos necessários para a ução do empreendimento.

Benefícios

Além de reforçar a oferta de energia no mercado, a PCH trará diversos benefícios à população local. Destaque para a redução da formação de espuma na Barragem de Pirapora, a criação de 250 empregos diretos e o consequente aquecimento da economia local, além do recolhimento de tributos em favor da prefeitura.

Outro ponto de destaque na construção do empreendimento é o pequeno impacto ambiental. Aproveitando a estrutura local já existente, apenas as áreas de propriedade da EMAE serão afetadas com a instalação do canteiro de obras, entretanto, plantios compensatórios serão realizados. Também não será necessária a desapropriação de moradias e uma ponte será construída sobre o rio com o objetivo de evitar desvio de estradas, minimizando o trânsito de veículos pesados.

CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS

Queda média: 23,4 m

Vazão MLT: 120,7 m3/s

Capacidade de Descarga: 2.048 m3/s

Potencia Instalada: 25 MW (140 m3/s)

Energia média: 17,2 MW médios

Linha de transmissão: 88 / 138 kV

Operação: energia e controle de cheias

HIDROLOGIA

Bacia do Rio Tietê

Área de drenagem: 5.649 km2

Precipitação média: 1.450 mm

Vazões

Vazão média de longo termo: 120,7 m3/s (1914 – 2000)

Vazão mínima média mensal: 46,1 m3/s

Vazão de cheia TR= 10 anos: 631 m3/s

Níveis de Água

Montante Jusante

Mínimo normal 688,00 m 664,30 m

Máximo normal 688,00 m 664,60 m

Máx. maximorum 698,90 m 671,00 m

CANAL DE ADUÇÃO E TOMADA D’ÁGUA

Tomada d’água

Comprimento = 30,8 m

Largura = 15,1 m

Altura = 31,5

Acesso por ponte

Grades em dois vãos área total 139,1 m2 (velocidade 1 m/s)

Máquina de limpeza de grades

Comporta vagão 34,8 m2 (velocidade 4 m/s)

Comportas Ensecadeiras (Stop logs)

Pórtico de movimentação